musas

MusesMantegna

Se a vergonha me cala
Não a vergonha na cara
Mas sim a cautela contida
De fato o afastamento não é em vão
Apenas mostra em mim comprometimento
Não fujo deste lugar por medo do passado
É apenas respeito ao presente
E pelo amor que carrego atualmente
Poderia bem ficar aqui
Remoendo antigos amores
Relembrando musas de outrora
É porque ele já ficou pequeno
Pro tanto de amor que eu trago
Sim, saiba que dos amores antigos não me esqueci
Não os nego
Mas os deixo de lado
Para que com você
Eu possa criar um novo espaço
E deixar num canto da memória
Todo o amor que cultivei e não vivi.

Anúncios

no goodbyes

Eu não sei o porque
De pessoas entrarem em minha vida
E saírem dela sem mais nem menos
Eu não estava procurando por nenhuma delas
E mesmo assim elas chegaram
Conquistaram parte do meu ser
Me influenciaram e deixaram boas lembranças

Mas de repente desapareceram
As pessoas tem o dom de fazer isso
Apenas desaparecer da vida de outro alguém
Elas não tem a noção da responsabilidade que assumem
Ao conquistar a afeição de outro alguém

Eu não pedi pra que você chegasse me alegrando
E fazendo da minha vida um pouco melhor naqueles dias
E agora você vai embora da mesma forma como chegou
Sem dizer adeus ou coisa que o valha

Ouço os passos da fuga desenfreada
Eles se foram sem deixar vestígios
Talvez jamais os veja novamente

Mas se for voltar
Peça licença, bata na porta
E me pergunte se quero realmente
Ter você em minha vida
E me traga um contrato assinado
Dando garantia
De que jamais irá embora novamente.

tragicomedia

Tantas noites passava a questionar-se
Dos amores que teve
Das conquistas que obteve
Dos dias que viveu
E de todos que conheceu
Sabia que a vida que tinha
Era conseqüência apenas de seus atos
Mas rezava diariamente para que seus atos fossem outros
Sabia que tudo dependia dele mesmo
E sabia que não era forte o suficiente para mudar
Se questionava diariamente se estava fadado aquela vida
Se continuaria a sonhar em ter o que não podia
Dos amores que não vivia
Dos dias que perdia
Sabia apenas que continuaria a viver
Por tempo indeterminado
Errando da mesma forma de sempre
Pois essa era a única forma em que ele sabia viver
A única forma de viver seu personagem tragicômico
Rindo de sua desgraça
Vivendo de suas imbecilidades
Arrancando sorrisos alheios com sua mediocridade
Vivendo a vida que lhe fora destinada.