juras de um covarde

Eu bolei mil juras de amor durante a semana
Pensava nela
Criava rimas com seus olhos
Depois rimava com seus lábios
Ouvia a sua voz até no canto dos pássaros
Agora chegou o fim-de-semana
Aquelas palavras de amor se perderam
Pois a covardia me consome
As juras de amor
Fogem de meus lábios
E seus lábios
Já não são tão rubros
E seus olhos já não brilham mais
Quem se deixa vencer pela covardia
Deixa de viver dia após dia
E a esperança de que ela saiba do seu amor
Vai embora
Deixando aqui apenas o remorso e o rancor.

decepção

Você me perguntou
E esse tipo de pergunta não se faz
Não te dei a resposta
E nem te darei
Nós sempre nos decepcionamos com os outros
Mas não me pergunte qual é seu problema
Se você não sabe
Não colocarei o dedo na sua ferida
Não me pergunte
Não cause desconforto
Não queira saber o que passa na minha mente
Não vasculhe esses pensamentos
Nem tente me entender

Finja que nada houve
Que eu finjo que nada sei
Finja que não fez nada
Que eu finjo que não me decepcionei