sobre o amor e a coragem

De onde vem essa coragem?
Será simplesmente uma centelha divina que nos dá essa coragem terrível?
O dom de amar uns aos outros
De cultivar amor por outra pessoa que não você mesmo
De onde vem essa maldita coragem que nos faz esquecer de todo e qualquer sofrimento?
Qual a razão das pessoas se amarem, mesmo tendo a certeza de que não será para sempre?
Não que eu não acredite num amor eterno, mas o fato é que nós não somos eternos
Como pode um homem amar uma mulher, e essa mulher amar tal homem, de forma que esqueçam que toda vida tem um fim?
Como podem criar vidas a partir desse amor, a ponto de se esquecerem que não estarão presentes para sempre, para amar essas novas vidas?
Como poder amar, tendo a certeza do sofrimento ao fim?
Como dedicar sua vida, a algo, que como você, não terá mais vida hora ou outra?
Que dom divino é esse que nos preenche, e nos ensina, que no final seremos congratulados com o sofrimento?
Bendita seja essa coragem, que nos cega para um futuro de sofrimento
Benditas sejam as pessoas que se entregam ao amor, sem medo do fim imediato
Já que o sofrimento final é inevitável
Benditos são os que amam na plenitude da sua capacidade
Benditos aqueles que amam e se deixam ser amados!

Anúncios

das crenças e duvidas

Ela sabe que meu coração é dela
Ela sabe que minhas noites são pensando nela
Ela sabe que meus dias são dela
Ela sabe que meus olhos só procuram os dela
Ela sabe que meus sonhos são sempre com ela
Ela sabe o que é estar apaixonado
Ela sabe o que é estar apaixonada
Ela sabe o que é esperar por outro alguém
Ela sabe o que é aguardar pelo outro pra alegrar seu dia
Ela sabe o que é esperar apenas uma palavra
Ela sabe o que é ouvir a voz de quem ama logo que acorda
Ela sabe o quanto é ruim sentir a falta de quem se ama
Ela sabe o que é estar longe quando se quer estar perto
Ela sabe o que é ter medo de amar
Ela sabe o que é ter medo de se magoar
Ela sabe que não se pode fugir dos sentimentos
Ela sabe que não deve se esconder de tudo isso
Ela sabe que amar é a única virtude
Ela sabe que um dia vai se entregar
Ela sabe que não há escapatória para tais sentimentos
Ela sabe que quem a ama não a esquecerá tão facilmente
Mas ela não sabe se o ama
Mas ela não sabe se deve seguir em frente
Mas ela não sabe se deve sentir sua falta
Mas ela não entende o porquê disso tudo
Ela sabe somente
Que não lembra como isso começou
E tampouco como vai terminar.

perto do fim

Ele não entendia o porquê de tanto silêncio
Dias e mais dias ele passava sem uma palavra sequer
Começava a perceber a decisão de esquecê-lo
Decidiu então que revidaria da mesma forma
Os dias de conversa
As palavras simples de afeto
As mínimas demonstrações que algo havia sentido
Resolvera apagar de registros e de sua memória
Porém o contrario acontecia
A cada dia pensava mais e mais nela
Lembrava de cada palavra trocada
Das juras feitas de amor e espera
Arrependeu-se de ter começado a esquecê-la
Chegou a ver em outras pessoas a imagem dela
Parou na rua para analisar alguém que acreditava ser ela
Mesmo sabendo que ela se encontrava a muitos quilômetros de distancia
Aquilo o consumia de tal forma
Que mais uma vez isso aconteceu
Percebeu em outra pessoa aquele mesmo rosto
Aquele mesmo tipo físico
Os cabelos lisos, negros e compridos
Os olhos verdes e os lábios vermelhos
O detalhe da timidez num olhar escondido
Ele já não sabia se sonhava ou se vivia
Se este era seu karma
E um castigo por tentar apagá-la de sua memória
Ou se era loucura de sua mente
Imaginando estar perto de quem não se pode ter ao lado
Tentando trazer quem tanto quer encontrar
Não sabia se devia seguir em frente
Na tentativa de viver a vida sem a presença dela
Ou continuava sonhando com o dia que ela voltaria
Mais uma vez a musica dava a dica
E era exatamente o que seu coração ansiava.

“No, no, no, no,
I will never forget,
I will never regret,
I will live my life. “

o escafandro

Seus sentimentos fechados num escafandro
Eram indecifráveis para qualquer um
De seus sonhos e medos ninguém sabia
Dos seus amores e conquistas muito menos
Ela apenas seguia em frente
Sem permitir que outros a traduzissem
Ela apenas vivia se mantendo um mistério
Aos olhos alheios era uma interrogação
Era a duvida que muitos queriam desvendar
Ela seguia em seu mundo
Entre nevoas e sombras
Sem saber se revelaria aos que a cercavam
Quem era e o que pensava
Mas dentro de suas próprias duvidas
Ela apenas seguia em frente
Sem olhar para trás
Sem dar a oportunidade de revelar aos outros
Se amava, se vivia e o que pensava
Deixava apenas a duvida
Em todos que procuravam lhe entender
Em todos que tentavam conquistá-la

adeus(?) musa.

Olhei ao meu redor
Chamei no intervalo de um sussurro
Descobri então que minha musa havia partido
Me deixou sem aviso
Sem razão
Sem perdão
Perguntei em vão se a reencontraria
Eu não ouvia
Mas sabia que de mim ria
O escárnio estampado em sua face
Podia imaginar
Minha musa se foi
Mas me deixou muitas lembranças
Por ela me atirei num abismo
Me afoguei em seus olhos
Me perdi em seus lábios
E me esqueci de esquecer
Que prometi sem ela não viver
Mas enfim
Não pedi pra me esquecer
Ainda imploro pra te ver
Não pretendo te perder
Ainda penso em te esquecer.