transfiguração

Sou o que tu me pedes para ser
Teu porto seguro
Teu vazio em dias mortos
As tardes quentes de verão
E o calor que te falta no inverno
Quando pedes sou teu chão
E te cubro como um céu de algodão
Sou teu amante obscuro
Sou teu santo, teu amigo
Quando pedes me viro em dois
E quando precisas sou o único que te serve
Sou um nada quando não precisas de mim
E sou tudo o que você sempre quis
Quando não falta nada
Sou apenas eu mesmo
Esperando que tu sejas minha
Sendo você mesma
Sem mais nada a esperar
Sem mais nada em entrelinhas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s